domingo, 14 de abril de 2013

Reflexões de Fidel

No texto abaixo, dentre outras considerações, Fidel Castro aconselha a Coréia do Norte a evitar a guerra. Diz que a tensão atual é a mais grave desde a crise de 1962 (episódio dos mísseis em Cuba), que poderia ter levado a uma guerra nuclear entre Rússia e Estados Unidos. Diz que não é justo um conflito, como o atual, cujo desenrolar afetaria 70% do mundo, pois a região concentra 5 dos 7 bilhões da população humana. Que na guerra entre as duas Coréias, ocorrida 5 anos após a explosão das bombas de Hiroshima e Nagasaqui, morreram milhões de coreanos, pois, mesmo assim, o general Mac Arthur, comandante das tropas americanas, ainda propunha usar a bomba atômica pra resolver o conflito, sendo impedido pelo então presidente Harry Truman, o mesmo que autorizara o despejo das bombas atômicas nas 2 cidades japonesas. E que, se Obama não evitasse a guerra, entraria pra história como o personagem mais sinistro dos Estados Unidos. Por fim, que se agora a Coréia do Norte já havia demonstrado seus avanços técnicos e científicos, já era hora de rever seus deveres com os países que lhe são amigos e, principalmente, com os ditos 70% da população mundial diretamente afetados por um conflito nuclear.

Fonte:
http://www.granma.cu/espanol/reflexiones/5-abril-guerra-corea.html

sábado, 13 de abril de 2013

Tá tirando onda com a idade, bela loira?

A foto do link abaixo, se aliada com a história que Fortaleza faz 287 anos hoje, guarda em si uma incoerência. O belo retrato com a ponte é do local chamado Barra do Ceará, desembocadura do Rio Ceará e onde foi fundado a primeira aldeia cearense. O sucesso se deu em 1604, por Pero Coelho que, logo depois de receber o título de capitão-mor, partiu da Paraiba, em junho de 1603, de navio, comandado por um francês a bordo, até a foz do rio Jaguaribe, depois por terra, com 80 companheiros e cerca de 800 índios e tomando mais índios escravizados pela costa do Ceará, subiu a Serra Grande em busca da prata e no rumo do Maranhão e encalço dos franceses, chegados  antes à mesma Serra da Ibiapaba. 

Depois de ter dado o baculejo nos ditos franceses, seguido de uma conversa de pé-de-ouvido e laçado cordas nos índios do morubixaba (chefe) Mel Redondo e Diabo Grande, tentou seguir no seu intento, que era o Maranhão. Porém, exaurida da luta sem futuro, a tropa rebelou-se e Pero Coelho teve de retornar da Ibiapaba pra costa cearense, que não era doido de continuar sozinho, fundando na foz do Rio Ceará, num sítio que se apossara e dera o nome de Nova Luzitânia, um lugarejo chamado Nova Lisboa, que ainda hoje demora esconbros de alvenaria, ligados a óleo de baleia, nos buracos que se fez recentes nos seus arredores. Por falta de ajuda às suas empreitas e em busca obstinada de recursos para continuá-las, Pero Coelho retornou à Paraiba, deixando habitado o lugarejo, ao qual deveria retornar em 1605, desta feita com sua esposa Maria Tomásia e filhos.

Mas aonde está a incoerência citada no início deste texto? Ora, se em 1604 foi fundada a Nova Lisboa que, querendo ou não, fundeou os alicerces da Fortaleza e depois, ainda em 1637, construído o forte São Sebastião e mais depois o forte edificado pelo capitão holandês Matias Beck em 1649, batizado como forte Schoonenborch, nome do então governador de Pernambuco; pois então, a data de início da cidade, tirante os prolegômenos legais, se deu muito antes, portanto em 1604. Assim, Fortaleza não tem hoje só 287 anos. É bem mais velhinha a loira desposada do sol.

Tá tirando onda com a idade, bela loira? 

George Alberto de Aguiar Coelho

Mote:
https://www.facebook.com/photo.php?fbid=518205061554747&set=a.245770178798238.55917.188579854517271&type=1&theater  
Fontes históricas: 
Sargento-Mor Diogo de Campos (tio de Martim Soares Moreno). Jornada do Maranhão. 1614.
Antonio Bezerra, Algumas origens do Ceará.  1918.
Esboço histórico sobre a província do Ceará. Dr. P Théberge, 1869.
Barão de Studart. Geografia do Ceará. Década de 1920.


Não vai na onda de banqueiros e rentistas, não, Seu MInistro!

Não concordo, de jeito nenhum, no aumento da taxa de juros Selic. Ela ainda é muito alta. Isso é receita de banqueiro e rentista, sôfrego por grana fácil, que gosta dum bolsa-juros, sem precisar trabalhar necas de titibiribas, enquanto fala mal da mincharia do bolsa-família. O governo deveria era lançar mão de aumentar mais o depósito compulsório dos bancos, parte da captação destes depositados obrigatoriamente no Banco Central, diminuindo assim o fator multiplicador que faz banco, artificialmente, criar moeda e, assim, alimentar inflação.
George Coelho
Fonte: http://economia.estadao.com.br/noticias/economia-brasil,mantega-admite-tomar-medidas-impopulares-para-combater-inflacao,150461,0.htm