sábado, 16 de dezembro de 2017

O arroto de R$ 7bi

https://www.cartacapital.com.br/revista/981/a-coca-cola-a-zona-franca-de-manaus-e-o-rombo-de-7-bilhoes

Julgamento de Lula pelo TRF4

Diante da enorme mobilização e comparecimento do povo defendendo Lula das acusações em que faltam provas e sobram convicções do MPF e Juízo da Vara de Curitiba, creio que adiarão o julgamento do Lula, marcado para o dia 24/jan/2018, na segunda instância, no Tribunal da 4a. Região Federal, em Porto Alegre - RS. O Moro já fez isso em depoimento do Lula e o TRF4 é apenas sua extensão.

http://m.folha.uol.com.br/poder/2017/04/1878063-moro-decide-adiar-depoimento-de-lula-na-lava-jato.shtml






sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

Pedro Carlos Alvares

foi um jornalista boêmio que amava a noite, mas se qualificava como um agitador cultural.

Fui apresentado a ele por um cunhado, Marcos, seu colega no Colégio Cearense. Na ocasião, pretendíamos montar um bureau de serviços de informática, uma espécie em pequena escala do que era então a empresa cearense Secrel. Trabalhei ali com Pedro por quase um ano e, no final, separou-se a sociedade,  sem que nem chegasse a ter formalmente nós dois como sócios.

Era 1985 e, ainda no pequeno bureau, fomos, eu e ele, a Brasilía, para um Congresso de Informática da Sucessu, associação de gente ligada à computação. Quando numa noite estávamos neste Congresso, ouvimos a notícia da morte de Tancredo Neves. Porém, mesmo após a infausta notícia, um propagandista de empresa de informática continuou explicando sobre o seu produto ao Pedro. Este ficou indignado e o interrompeu: meu caro morreu há pouco o presidente do Brasil e você não o está respeitando. Não quero ouvir mais nada. Era assim o Pedro.

No outro dia, ou dias depois, o caixão com Tancredo chegava à Brasília e formou-se um movimento de estudantes tentando entrar no Planalto rompendo o cerco policial. Coisa de estudante desmiolado. Pelas circunstâncias da renascente democracia, altos interesses em jogo e a personalidade ímpar de Tancredo Neves, que tinha sido primeiro ministro do governo Jango, desconfiava-se não ter tido o presidente Tancredo, ainda não empossado no cargo, morte natural. Eu, inflamado, estava ali, junto a ele, levantando a enorme bandeira dos estudantes e ele racionalmente me disse: isso é coisa de doido, você será um trotskista?

Depois à noite, fomos para o velório, antes passando por um bar no qual presenciamos uma cena que Pedro incorporou em sua memória e estórias. A cena: uma moça flagra o seu namorado bebendo com outra em uma mesa do nosso lado. Indignadíssima a bela mulher fez a desfeita ao namorado chamando-o de tudo, de hipócrita, de canalha e de falso Diretas-já.  Falso Diretas-já? Porque ambos, então namorados, antes da eleição indireta de Tancredo Neves em Colégio eleitoral, tinham participado dos acontecimentos das Diretas-já e a afrontada moça descobriu depois que o agora encolhidíssimo namorado não era exatamente um democrata, mas um falso Diretas-já.

Muitos anos depois, encontrei Pedro no Centro Cultural do BNB, quando do lançamento do livro que escreveu em co-autoria com Denise Dumont em homenagem ao pai desta atriz, o criador do baião e do hino do Nordeste, Asa Branca, em parceria com Luiz Gonzaga, o iguatuense Humberto Teixeira. Guardo fotos da ocasião.

Pedro era Jornalista e escrevia textos no jornal O Povo. Os acontecimentos pareciam seguir o Pedro ou seria o contrário? O que de fato acontecia, ou me dava impressão que acontecesse, era quase sempre o de encontrar o Pedro em algum acontecimento insólito ou grandioso.

Amava a noite. Era um boêmio contumaz de discursar com todo o fervor em conversa  aos goles de cerveja, defendendo suas ideias esquerdistas, marxistas, trotskistas, petistas ou mais istas que as fossem.

Nestas ocasiões pegava o microfone e soltava a voz, que era muito boa voz.  Lembro-me dele assim cantando  no bar Estoril da Praia de Iracema, uma música que me traz a lembrança do Pedro sempre que a ouço: O Bêbado e o Equilibrista de João Bosco & Aldir Blanco, interpretação de Elis Regina ou do Pedro Carlos Álvares.

"Caía a tarde feito um viaduto e um bêbado trajando luto me lembrou Carlitos. A lua, tal qual a dona de um bordel..."

quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

Um novo perfume

Noticia-se que a Natura acaba de lançar um perfume com cheiro especial, exótico e muito caro. O perfume tem essência de gás butano.

Se os patriotas de estádios

Se toda essa energia de torcedores, patriotas de estádios, fosse revertida contra golpistas e traidores do Brasil, não sei se o time deles teria sucesso nos inúmeros campeonatos que disputam, porém o Brasil não estaria arrasado, sem rumo e conformado ao papel de país de bananas.

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Brasil, partido e sem escola

A pedido do senador Magno da malta o projeto Escola sem Partido foi arquivado. Agora, pretendem continuar o projeto paralelo: Brasil, partido e sem escola.